Monday, 12 December 2011

ZÉ DA ZILDA


 ZÉ DA ZILDA era um poeta do povo


Revista do Radio, 23 Outubro 1954.

Zé da Zilda, nome artístico de José Gonçalves, morreu no dia 9 Outubro 1954, sábado.

Zé da Zilda foi vítima de um derrame cerebral na manhã do mesmo dia. Internado no Hospital de Pronto Socorro, não resistiu aos padecimentos e veio a falecer poucas horas depois.

Seu entêrramento, que contou com a presença de grande número de radialistas e compositores, foi realizado no domingo, dia 10, às 16 horas no Cemitério de São Francisco Xavier, no Cajú.

O extinto, antes de formar dupla com sua espôsa Zilda, atuava esporádicamente sob o pseudônimo de Zé-Com-Fome, dedicando-se aos sambas-de-breque. Mais tarde, ao lado da companheira, viveu a melhor fase de sua carreira, como intérprete e autor de sucessos como ‘Falem de mim’, Marcha do parafuso’, ‘Só p’ra chatear’, ‘Jura’, ‘Saca-rôlha’’, o grande êxito do Carnaval do ano de 1954, além de 'Ressaca', sucesso póstumo do Carnaval de 1955. 

Cantor e compositor de melodias simples e profundamente humanas, Zé Gonçalves era mesmo um poeta do povo – conforme o chamava, sinceramente, o produtor Antônio Maria.

 Zilda & Zé 
Benedicto Lacerda empunha sua flauta, Pixinguinha assiste a Zé cantar.
Zé & Zilda em uma apresentação numa loja de radios; Orlando Correia veste terno branco.

Osmar Frazão diz: Zé da Zilda era um senhor compositor, pessoa humilde de um valor extraordinário. Inundou a cidade com a alegria de sua voz e de Zilda. Foram da Radio Tupi e Mayrink Veiga.

antes de se tornarem os campeões da Odeon, Zé & Zilda gravaram na Star.

Zé da Zilda morre vitima de um AVC



reportagem da revista Radiolândia de 30 Setembro 1954.


 Zé da Zilda em seu caixão.
Zilda do Zé & Zé da Zilda em tempos felizes.
on a radio auditorium...


Lucio Rangel writes for 'O Cruzeiro' in



revista Carioca 1941.