Monday, 12 December 2011

ZÉ DA ZILDA

Zé da Zilda * 6 January 1908  + 9 October 1954
Zilda do Zé * 18 March 1919 + 

Zé & Zilda met when he presented a musical show at Radio Transmissora in which Zilda sang a number. They formed a duo called Dupla da Harmonia. They got married in 1938. In 1937, they became a fixture at Paulo Roberto's show at Radio Cruzeiro do Sul and would be introduced as Zé da Zilda & Zilda do Zé... and so it remained for the rest of their lives.  


 ZÉ DA ZILDA era um poeta do povo


Revista do Radio, 23 Outubro 1954.

Zé da Zilda, nome artístico de José Gonçalves, morreu no dia 9 Outubro 1954, sábado.

Zé da Zilda foi vítima de um derrame cerebral na manhã do mesmo dia. Internado no Hospital de Pronto Socorro, não resistiu aos padecimentos e veio a falecer poucas horas depois.

Seu entêrramento, que contou com a presença de grande número de radialistas e compositores, foi realizado no domingo, dia 10, às 16 horas no Cemitério de São Francisco Xavier, no Cajú.

O extinto, antes de formar dupla com sua espôsa Zilda, atuava esporádicamente sob o pseudônimo de Zé-Com-Fome, dedicando-se aos sambas-de-breque. Mais tarde, ao lado da companheira, viveu a melhor fase de sua carreira, como intérprete e autor de sucessos como ‘Falem de mim’, Marcha do parafuso’, ‘Só p’ra chatear’, ‘Jura’, ‘Saca-rôlha’’, o grande êxito do Carnaval do ano de 1954, além de 'Ressaca', sucesso póstumo do Carnaval de 1955. 

Cantor e compositor de melodias simples e profundamente humanas, Zé Gonçalves era mesmo um poeta do povo – conforme o chamava, sinceramente, o produtor Antônio Maria.

 Zilda & Zé 
Benedicto Lacerda empunha sua flauta, Pixinguinha assiste a Zé cantar.
Zé & Zilda em uma apresentação numa loja de radios; Orlando Correia veste terno branco.

Osmar Frazão diz: Zé da Zilda era um senhor compositor, pessoa humilde de um valor extraordinário. Inundou a cidade com a alegria de sua voz e de Zilda. Foram da Radio Tupi e Mayrink Veiga.

antes de se tornarem os campeões da Odeon, Zé & Zilda gravaram na Star.

Zé da Zilda morre vitima de um AVC


reportagem da revista Radiolândia de 30 Setembro 1954.

 Zé da Zilda em seu caixão.
Zilda do Zé & Zé da Zilda em tempos felizes.
on a radio auditorium...



Lucio Rangel writes for 'O Cruzeiro' in



revista Carioca 1941.
Revista do Radio #126, 5 February 1952

Revista do Radio tells how Zé & Zilda started at Radio Tamoyo, moved on to Radio Tupi, asked for a raise in salary and as it was denied them they decided to move to São Paulo where Radio Record, Cultura plus Tupi-SP & Difusora paid at a higher rate during Carnaval time.

RR also tells the sad story of song-writer Germano Augusto who had been in the IAPETEC hospital (Instituto de Aposentadorias e Pensões dos Empregados em Transportes e Cargas) for quite some time and could not go home because he simply didn't have one to go to. Zé Gonçalves talked to Germano's doctor who told him Germano's heart was very week and he wouldn't live much longer. Zé then invited Germano to stay at his & Zilda's house where he lived happily the few weeks he had to live.