Wednesday, 21 September 2011

Cemitério do Cajú in Rio de Janeiro

Jamila Cury grieving at her daughter Aida's grave. 
Jamila Cury at Aida's grave. 
the day Jamila followed her daughter's casket to be buried... 1958.
Aracy de Almedia pays her homage at Noel Rosa's grave at Cajú-RJ. Ismael Silva looks on.

a closer view of singer Aracy de Almeida at Noel Rosa's grave.



Itinerário do ônibus da Praça XV de Novembro até  o Cemitério do Cajú

Depois de andar pela Feira, voltei ao ponto inicial da Pça.XV para pegar um ônibus de volta para a região da Rodoviária, já que o Cemitério do Cajú fica nas cercanias.  Esse ônibus veio por ‘dentro’, ou seja, pelo centro antigo, ao invés de seguir pela rua 1º de Março.

Saindo da Pça.XV passou pelo Largo do Paço Imperial, que dá entrada para o Arco do Telles;
Rua 1º de Março, que se continuada vai em direção à Rodoviária;  ônibus virou a
Rua da Assembléia;
entrou na Rua da Carioca, onde o Cine Iris é no numero 53; atravessa a Avenida Republica do Paraguay, onde tem uma catedral gótica Presbiteriana;

a rua da Carioca muda de nome e passa a se chamar Rua Visconde do Rio Branco e chega na 
Praça da República, onde há a ‘Gafieira de Elite’ na esquina;  onibus dobra a Pça. da República e entra na
Avenida Presidente Vargas, onde há o Palácio Duque de Caxias, um predio Art-deco imenso; passa pelo
Sambódromo, na Marquês de Sapucay [à esquerda];  vira uma avenida, que creio seja a Avenida Brasil;

passa em frente da Estrada de Ferro Leopoldina, um prédio bonito, mas prêto de fuligem e abandonado; 
passa por uma Usina de Asfalto, sobe um viaduto, e a gente já vê a Rodoviária do lado direito. 

Continua mais 500 metros no viaduto, desce e a região dos cemitérios fica à direita.

C E M I T É R I O    D O    C A J Ú


No Rio há uma ‘região dos Lagos’, mas há também uma ‘região dos Cemitérios’.  Ali, do lado direito da Avenida Brasil, de quem está indo em direção sul, há 4 cemitérios, um encostado no outro:

  1. Cemitério da V. e ª Ordem Terceira de N. Sra. do Monte do Carmo – também conhecido como Cemitério da Ordem do Carmo.

  1. Cemitério da V.O. 3ª de São Francisco da Penitência

  1. Cemitério Israelita – cemitério Judeu, onde está sepultada a Clarice Lispector.

  1. Cemitério do Cajú  – que na verdade eu nem sei o nome ‘oficial’, já que sempre entro pelo primeiro portão.  Há 3 portões, sendo que o principal é o 3º portão.

A Í D A    C U R I

* 15 DEZ 1938     +  14 JUL 1958

Maria, ajudai-me a amar sempre a Jesus e antes morrer do que pecar. (dos apontamentos da falecida Aída).

Sábado, 8 de Fevereiro, estava muito calor, e era 10:30 da manhã, com o sol queimando solto.  Perguntei a um velhinho que guardava o primeiro portão, se ele sabia onde era o túmulo da Aída Curi.  Ele disse que era na Quadra 55, mas não sabia onde.  A Q 55 fica logo à esquerda de quem entra no 1º portão.  Eu tentei achá-lo,  mas depois de 5 minutos eu já estava pedindo arrêgo, e vendo um homem, que achei trabalhava alí, pedi ajuda. Ele disse que era um túmulo que tinha uma rosa em cima.  Logo percebi que ele estava errado, pois esse seria o da Dolores Duran, devido à sua música ‘A noite do meu bem’ (Hoje, eu quero a rosa mais linda que há, e a primeira estrela que vier, para enfeitar a noite do meu bem...).  O homem percebeu o erro e disse que, sim, ele sabia onde estava a Aída, e prontamente me levou até um túmulo de mármore vermelho.

Quando eu olhei para a pequena foto 3x4 de Aída Curi, numa pose um pouco diferente daquela que eu estava tão acostumado a ver nas paginas da revista ‘O Cruzeiro’, em 1959, ou na famosa fotonovela de sua vida publicada pela ‘Sétimo Céu’, eu tive um pequeno choque.  Não esperando ver foto alguma, pois não havia foto [ou inscrições] no túmulo que vi numa foto-reportagem de 1959, na qual aparecia a mãe de Aída rezando o rosário em frente ao túmulo da filha.  Obviamente o túmulo foi renovado e melhorado posteriormente. 

O mais interessante é  que, por um momento, parecia que era 1958 novamente, e eu não estava no Rio, mas em Marília-SP, minha cidade natal, e tinha 9 anos de idade.

Instruções para se chegar ao túmulo de Aída Curi:  Entrando no Cajú pelo primeiro portão, vira-se à esquerda e já se está na Quadra 55.  Siga a rua que sai direto deste local até passar 4 esquinas; dobre a 4ª transversal à direita, ande um quarteirão e dobre a 1ª à esquerda. A sepultura de Aída Curi é a terceira do lado esquerdo. Número 21.490.


DOLORES  DURAN

* 7 JUN 1930   +  24 OCT 1959

Saudade de seus entes queridos

Eu já tinha visitado o túmulo de Dolores Duran em Agosto de 2005.  Há lá uma rosa de cimento e um retratinho da cantora.  O número é  21.556, e fica 3 ruas abaixo do da Aída Curi. 

Instruções para se chegar ao túmulo de Dolores Duran: também está na Quadra 55, e como no da Aída, toma-se a rua que sai do lado esquerdo de quem entra pelo portão numero 1;  caminha-se 4 quarteirões, dobra-se a 4ª transversal à esquerda, anda-se 2 quarteirões e dobra-se à direita.  A sepultura de Dolores Duran é a quinta do lado direito.

NOËL  ROSA

*  11 DEZ 1910  +  5 MAI  1937

A Noël Rosa – homenagem do povo Carioca – Iniciativa da A.A.Vila Izabel – 11 Dez 1960.

A sepultura do Noël é, na verdade, um pequeno monumento, pois creio que ele nem foi enterrado aí originalmente, pois não haveria lugar físico para um caixão.  Como esse monumento foi inaugurado 23 anos depois de sua morte, supõe-se que alí estão seus ossos em alguma caixinha. 

Em 2005, eu notei que o violão de bronze do Noël estava faltando as cordas, e agora em 2009, o violão em si desapareceu.  Foi roubado para ser vendido como ferro-velho pelos povos das favelas.  Noël, na certa, faria uma musica bem humorada sobre esse facto.  Agora só está faltando eles levarem a éfige em bronze do Noël, que ainda está lá.

Instruções para se chegar ao túmulo de Noël Rosa:  entrando-se pelo Portão numero 2 [que sempre está fechado e é de metal verde], vira-se a 1ª rua à direita;  segue-se em frente até chegar-se ao 14º túmulo.  Não há numero na sepultura do Noël, mas é do lado da de numero 17.081. 

ORLANDO  SILVA

* 3 OCT 1915   +  7  AUG  1978

O cantor das multidões

O túmulo do Orlando Silva está do outro lado do cemitério, na Quadra 14.  Entrando-se pelo Portão Principal, segue-se pela avenida principal até a 1ª avenida transversal.  Vira-se à direita e anda-se até a próxima avenida, onde, do lado esquerdo é a Quadra 14, e do lado direito a Quadra 22. Túmulo de mármore vermelho, de número 30.728, é segundo da esquina.  A cruz foi arrancada, e as letras de bronze estão faltando algumas.  Ainda tem os seguintes nomes:

NELSON DE SOUZA FRANCO   * 19 JUN 1917   + 17 APR  1987

MARIA DE LOURDES SOUZA FRANCO DA SILVA    *  3 OCT 1921   +  .... JUL 1993

Atrás do túmulo de Orlando Silva há um obelisco de mármore branco com os seguintes dizeres:

Erected by the crew of USS Pittsburgh in memory of their shipmates who died from the influenza. October – November 1918.

A.J. McCou  CBM [USN]
W.L. Foegley  CBM  [USN]
E.H.Lillegard  CE[R]   [USN]
G.E.Williams  CWT  [USN] ...

A lista de nomes continua.  São 11 nomes no lado norte, 10 nomes no oeste, 10 nomes no leste e 11 nomes do lado sul.

The remains of those whose names are inscribed on this monument were removed to the United States of America on board the USS Richmond – October, 1923.

42 marinheiros norte-americanos que morreram no Rio de Janeiro durante a epidemia da Gripe Asiática [ou Espanhola], que assolou o mundo inteiro logo após o fim da I Guerra Mundial, em 1918. A Gripe apareceu justamente qdo. os milhões de soldados que se trucidaram na Europa, se preparavam para voltar aos seus respectivos países.  Junto deles foi também o vírus fatal da Influenza, que se espalhou para os 4 cantos do mundo.

Essa foi a razão pela qual a família Amorim [de meu avô  paterno] mudou-se do Estado do Rio para Ourinhos, no Estado de S.Paulo. Eles achavam que em São Paulo morria-se menos. A gripe não escolhia nacionalidade ou classe social.  Houve mais vítimas da Gripe Espanhola do que da própria Guerra. 20 milhões morreram na Guerra e mais 25 milhões morreram da Gripe.  Mais uma ‘linda’ pagina da história da Humanidade.  Mais uma ignomínia dos Poderes Constituídos.

PAULO  SERGIO

Sepultura do cantor Paulo Sérgio fica de frente da do Orlando Silva.  Não há datas de nascimento, morte ou mesmo o sobre-nome do cantor.  Túmulo de mármore vermelho, situa-se na Quadra 22, número SP 30.831.

Jazigo perpétuo da Família Macedo.  Há  a seguinte inscrição: 

PONCIANA MACEDO  *  19 MAI  1895  +  25 NOV 1983.
Saudade de seus filhos e netos.  Paulo Sérgio e sua avó.

Deduz-se que Ponciana era avó de Paulo Sergio, mas não se sabe mais nada.



Velório de Paulo Sergio no Cemitério da Vila Mariana em São Paulo. O corpo, depois, seguiu para o Rio, onde foi sepultado no Cemitério do Cajú.  

Então por aqui vamos ficando em relação ao Cemitério do Cajú.  Posso ainda dizer que o sábado estava bem movimentado, pois havia pelo menos 3 velórios no predio da Administração do Cemitério, e ainda chegou um último caixão, seguido de apenas 4 pessoas, atraz do funcionário, que empurrava o caixão em cima de um carrinho.  Um scena meio patética, já que alguem disse que queria ver o defundo pela ultima vez, mas logo mudou de idéia, e o cortejo continuou em frente, num caixão da qualidade mais baixa possivel, quase de papelão.  Pelo menos aquela, que inicialmente queria ver o defundo, mas lógo desistiu da idéia, parecia estar sob influência alcoólica.




Jamila Curi, mãe de Aída Curi.


dona Jamile, mãe de Aida Curi e David Nasser, o jornalista da revista 'O Cruzeiro' que não deixou o caso ser esquecido. 

7 comments:

  1. Agradeço o terem indicado como chegar ao túmulo de minha saudosa e heroica irmã Aída Curi. De fato, não é fácil encontrar o lugar.Quando lá estiverem, coloquem uma flor diante do seu retratinho e digam a ela que o seu sacrifício não será jamais esquecido pelo povo brasileiro nem tampouco pela Igreja, que se ufana de sua filha virgem e mártir; e acrescentem,por favor, que será eternamente lembrado também o perdão que foi dado por sua mãe em nome de todos os seus 4 filhos. Monsenhor Maurício Curi , Vigário Patriarcal para os Melquitas Católicos no Cairo (Egito) e Pároco da Igreja Imaculada Conceição de Heliópolis.

    ReplyDelete
  2. carissimo Monsignor Maurício Curi. Fico extremamente feliz em tê-lo ajudado a chegar até o túmulo de sua irmã a venerável Aida Curi. Eu era criança quando ela morreu, mas nunca a esqueci. A primeira vez que tive oportunidade de ir à região dos cemitérios, no bairro do Cajú, a sepultura de Aida foi a primeira que eu visitei. Muito obrigado por ter deixado essa mensagem...

    ReplyDelete
  3. para ler explicações do caso Aída Curi, escritas por seu irmão Monsignor Mauricio Curi leia: http://www.egliseimmaculee.com/casoaidacuri.htm

    ReplyDelete
  4. Meu novo amigo Carlus Maximus, realmente você é… maximus ! Sem conhecer nossa família, você nos prestou um grande favor indicando como chegar ao túmulo de Aída Curi, nossa inditosa mas heróica irmã . Apesar da dificuldade da localização do local, o túmulo lá está bem conservado, tendo sido comprado pela nossa mãe, pouco antes da morte de Aída, aos 14 de julho de 1958, impressionando os visitantes, com seu retratinho de moça séria, de olhar transparente e altaneiro, levando a todos uma mensagem que lá está escrita: “Antes morrer do que pecar !”. Foi a decisão tomada em sua vida, registrada, dois anos antes de seu martírio, em sua cadernetinha, e assinada com seu próprio sangue ! Lá se encontra igualmente nossa mãe, falecida em 2 de dezembro de 1977, portadora também de uma mensagem : o perdão generoso, em nome de seus quatro filhos, Nelson, Roberto, Maurício e Waldir ! Sempre grato Monsenhor Maurício Curi

    ReplyDelete
  5. querido Monsenhor Mauricio Curi, é sempre um prazer receber comunicação sua... Aida Curi, que em vida era uma simples mocinha colegial, na morte se tornou uma heroína inesquecível... há certas almas que começam sua missão depois da vida terrena... Aida é um bom exemplo. Sua Mãe também se tornou, após a tragédia, uma figura estoica, que inspirou muitas pessoas por esse Brasil afora... que Deus a tenha... e que você e seus irmãos ainda tenham muitos anos de vida feliz nessa terra...

    ReplyDelete
  6. QUERIDO MONSENHOR NUNCA ESQUECI O CASO DE AIDA CURY,QUANDO PRIMEIRA VEZ ASSISTI EM LINHA DIRETA PROGRAMA EXIBIDO NA EPOCA NA REDE GLOBO DE TELEVISÃO NA EPOCA A TRILHA SONORA STRANGE LITLE GIRL BANDA THE STRANGLERS,ATE ENTÃO SEMPRE TIVE CURIOSIDADE DE CONHECER SEU JAZIDO...

    ReplyDelete
  7. PS:MINHAS SINCERAS CONDOLENCIAS ELA FOI UM EXEMPLO DE HEROINA DE MOÇA QUE TODA MÃE QUERIA CONBIDO,ABRAÇOS

    ReplyDelete